Eu não sabia que estava deprimido até quase arruinar meu casamento

article-container longform-container '>

Olho pela janela do consultório do terapeuta em direção à minha minivan no estacionamento - a minivan que eu nunca quis. Meu marido se senta ao meu lado com os olhos voltados na direção oposta, embora eu tenha certeza de que eles mantêm o mesmo olhar de cervo nos faróis de momentos antes. Eu não o culpo, realmente. Não é todo dia que sua esposa diz que seu casamento aparentemente feliz é unilateral.

Olhando para trás, eu culpo o bolo de veludo vermelho que ele comprou no meu aniversário algumas semanas antes. Odeio bolo de veludo vermelho, tanto quanto odeio música com banjos ou comédia pastelão. É por isso que eu não conseguia acreditar que, depois de sete anos de casamento, meu marido não sabia disso. Eu comi mesmo assim, é claro, porque não queria ferir seus sentimentos. E como sempre, fui para a cama naquela noite sem dizer uma palavra.

Na manhã seguinte, tudo parecia errado - como se eu estivesse vivendo o sonho de outra pessoa, flutuando fora do meu corpo e me observando realizar as ações de uma vida que eu não queria (metaforicamente, como uma vez assegurei ao meu psiquiatra). Morávamos onde eu não queria morar, em uma casa que eu não queria construir, com um veículo estacionado na garagem que eu nunca quis comprar. Nada foi minha escolha, nem mesmo meu bolo de aniversário, aparentemente, e foi tudo culpa do meu marido.



'Morávamos onde eu não queria morar, em uma casa que eu não queria construir, com um veículo que eu nunca quis comprar.'

filmes chegando aos cinemas em janeiro de 2017